Agradecimentos e aviso sobre as novel

Takhisis-e-Fizban

Para os aventureiros que estão gostando das novel originais, tem meus sinceros agradecimento!

Se tiverem dúvidas ou criticas sobre qualquer uma das novel peço que comentem nesse post.

Os capítulos são postados de forma aleatória não tendo um dia certo para as postagens.

Para os escritores que desejam postar seus trabalhos no site, por favor só deixar um comentário nesse post – antes de tudo quero lembrar que se sua novel vai fazer parte ou não do site vai depender dos leitores.

Mais uma vez agradeço a todos vocês que comentam e curtem minhas histórias!

Histórias de um cavaleiro: Capítulo 4

A Caçada! (2 Parte Final)

> IV <

 

 

Usando técnica marcial chamado de Movimento em Alta Velocidade – técnica marcial que envolve o processo de usar energia da natureza para fortalecer as pernas, aumentando sua velocidade -. Evelly e Adam deixaram sorrateiramente o castelo pela parte de trás. Pulando de rocha em rocha, movendo-se em alta velocidade pelos vales verdejantes de Ainny em direção ao bosque negro.

Evelly seguia um pouco atrás de Adam, olhando as costas do garoto. Vendo a fênix branca da família MacCallum bordado na capa, ondulando, gloriosamente sob o vento.

Ao invés de estar correndo em alta velocidade, o jovem a sua frente dava a ilusão de que estava deslizando pelo vento como uma brisa feroz.

Em sua idade eu mal conseguia controlar minha energia da natureza, pensou ela emocionalmente. Um gênio realmente está em outro nível.

Evelly conhecia bem suas limitações. Não era uma cultivadora com talento excepcional, mas se orgulhava por sua grande força de vontade. As poucas técnicas marciais e Arte Secreta dos Caçadores que aprendeu, foram conquistado com muito esforço e treinamento árduo.

Antes de ser considerada a melhor caçadora de Ainny, Evelly teve que trabalhar muito para conquistar esse título.Leia mais »

Nossa Historia em Lavis: Capitulo 11

Segundo arco, avante.

 

 

 

Alice

 

 

 

 

Em uma casa simples, deitada em uma cama de palha, encontrava-se uma garota de cabelos violeta.

Ela levemente abre os seus olhos quando raios de sol passam pelas aberturas da janela e alcançam seu rosto.

A garota espreguiça seu corpo jovem e sonolentamente anda ate o balde d’água no canto do quarto para lavar seu rosto.

Ela esfrega seus olhos cinzentos para se livrar do sono que ainda a de deixar seu corpo.

Ainda sonolenta, a garota anda em direção à sala para tomar um pequeno café da manha.

Ela pega o pão preto que sua tia deixou preparado antes de sair para trabalhar e o mastiga forçosamente.

Voltando ao seu quarto ela se prepara para sair para mais um dia de trabalho.Leia mais »

Histórias de um cavaleiro: Capítulo 3

Magusgod: É aqui está mais um capítulo de histórias de um cavaleiro com 3487 palavras. Era para eu ter postado esse capítulo ontem, mais por causa de forças maiores – a bendita chuva derrubando árvores e acabando com energia de todo bairro -, não foi possível postar o capítulo.

De toda forma, para quem está curtindo histórias de um cavaleiro, tenham um boa leitura! 🙂

________________________________________________________________________________

A Caçada! (1 Parte)

 

 

> I <

 

 

 

Ano 1660 do Calendário Imperial. 12º Mês (Verão), Dia 27 Localização: Castelo da Família MacCallum, Último Andar da 3º Torre.

 

 

Muto antes que os primeiros raios pálidos de luz invadisse o quarto através das janelas da torre. Adam já havia acordado. Sentado na beira da cama, esfregou os olhos e esticou as pernas.

Seu olhar vagou pelo quarto circular.

O assoalho era feito de madeira coberto por peles de animais selvagens. As paredes do quarto era decorado com tapeçarias que ajudam a eliminar o frio cortante dos dias gelados de inverno. Na parede próximo da varanda havia uma lareira, não muito longe ficava uma escrivaninha com pedaços de pergaminho rabiscado e uma pena e tinteiro. Na lateral esquerda do quarto ficava uma estante repleto de livros.

Um baú com suas roupas e pertences, ficava próximo de sua cama.

(Magusgod: para curiosidade, antigamente, pelos meados do tempo medieval, as pessoas usavam baús para guardar seus pertences e roupas.)

Tudo naquele quarto era um luxo condizente com seu status de nobre – contudo, quando comparado com nobres nas áreas centrais do império, seria considerado acomodações pobre.

Adam espreguiçou-se mais uma vez e foi até as janelas que levava à varanda. Afastou as venezianas, contemplando o sol nascendo a partir da cadeia de montanhas Navac – uma mistura de chamas rosadas e amareladas iluminando todo vale abaixo.

Adam estreitou seus olhos até acostumar-se com a luz do dia. Abriu as janelas e andou até o parapeito da varanda da torre. Sendo saudado por uma súbita lufada de ar fresco vindo das montanhas. O ar estava frio. Os pelos de seu braço se arrepiou e os pedaços de pergaminho rabiscado voou por todo quarto.

Do alto da torre tinha uma visão panorâmica.

Ao longo do vale, além das muralhas do castelo, via fumaça das chaminés das choupanas do vilarejo que cercava o castelo na base da colina rochosa.

Camponeses deixavam suas casas para realizar suas tarefas diárias.Leia mais »

TDT: Arco 4 (Capítulo 11)

Alucard, o explorador (parte 5)!

Uma linha de mistérios que se sucedem (parte 5)!

Após eu ter minha pequena discussão com aquele gnomo estudante, eu e o meu grupo seguimos Cainzorar e alguns outros gnomos para observar a região.

Na verdade, não foi nada demais, já que todo cenário, em qualquer ângulo de vista, é parecida, sem mais, nem menos.

Nós voltamos para aquela casa no fim da tarde, após um pequeno piquenique que fizemos com os gnomos da região em uma colina com vista para o lago.

Ao voltar pra casa, fomos recepcionados com mais comida, feita pela queridíssima gnoma chamada Helenia Terádes. Depois disso, fomos descansar e dormir.Leia mais »

Histórias de um cavaleiro: Capítulo 2

O Mantra Celestial, Os sete Caminhos Ocultos dos Devas!

 

 

> I <

 

 

 

Ano 1653 do Calendário Imperial. 2º Mês (Verão), Dia 10 Localização: Castelo da Família MacCallum.

 

 
Situado na fronteira do Império Vanaheim havia uma extensa cadeia de montanha chamada de “Navac” marcando o fim do mundo conhecido pelos homens. Se estendendo por várias milhas a partir de sua encosta ficava o bosque negro – lugar fonte de várias lendas e mitos.

Nos confins do mundo, construído no topo de uma alta colina rochosa, ficava o Castelo da Família MacCallum.

O Castelo era feita de blocos de granito negro com uma muralha de dez metros de altura ao redor do castelo interconectado entre si por quatros torres altas. O portão que da acesso para dentro do castelo eram feito de carvalho reforçado com grossas chapas de ferro temperado.

Ao passar pelo portão você encontraria um vasto pátio. No lado direito ficava os estábulos e no lado esquerdo ficava o alojamento dos soldados. Mais à frente ficava o grande salão do castelo interconectado com outros edifícios menores.

No corredor do Patio interno, uma serva de nome Elyse – uma mulher magra em seu 30 anos de idade, vestida com uma túnica cinzenta escura. Estava ao lado de um pequeno garoto de três anos, que espiava a senhora de Ainny em seu treinamento matinal, segurando uma grande espada de ferro, balançando-a como se fosse um fino galho.

―Eu não entendo ―murmurou o pequeno Adam.

A serva, Elyse que estava ao seu lado foi surpreendida. Ela estava quase duas horas com o pequeno Adam que olhava sem piscar para o treinamento de sua senhora. Em todo o tempo que ficou parado não abriu a boca para perguntar nada.

Apenas observando sua senhora em silêncio com aquele par de olhos misteriosos.Leia mais »

Histórias de um cavaleiro: Capítulo 1

Magusgod: Essa é meu novo projeto História de um Cavaleiro, vai misturar elementos encontrados na história do naturo, cultivo, e um mundo medieval mágico tradicional. Será uma história única de seu modo.

Que todos tenham uma ótima leitura  🙂

________________________________________________________________________________

Reencarnando e a Promessa!

 

 

 

> I <

 

 

 

―A vida é uma cadela louca 2º Tenente….

Caído em uma poça de sangue misturado com a terra lameada. Rodeado por inúmeros companheiro na mesma situação ou até mesmo pior. Para o 1º Tenente Dilan, a chuva pungente incessante que caia naquele dia tinha gosto de uísque barato.

―Aguente firme capitão, vou estancar o sangramento! Logo você ficará melhor!

A Segunda Tenente Amie de forma desesperada tentava estancar o sangramento, mas não conseguia. O ferimento era grave demais. Suas mãos estavam encharcada de sangue do seu amigo, amante, e capitão.

A chuva fria se misturava com suas lágrimas que desciam sem parar.

Igual a toda pessoa que está preste a morrer, Dilan via sua vida passar diante seus olhos.

Ao início da terceira guerra mundial em 2035, seu país tornou-se um verdadeiro inferno na terra. A economia do país havia quebrado, empresas faliram deixando milhares de pessoas desempregadas, fazendo muitas famílias morrerem de fome. Nesse cenário de pobreza, Dilan foi abandonado em uma viela da periferia. Foi criado em um orfanato. Dilan era uma criança de coração amável e gostava de aprender e ler sobre a história antiga da humanidade.Leia mais »