Nefoedd (Reescrito): Capítulo 2.5

Magusgod: Originalmente esse capítulo fazia parte do capítulo 2. Para o capítulo não ficar muito grande, havia cortado essa parte do capítulo anterior, tornando-o um capítulo curto. Talvez ainda hoje, vou pegar o capítulo 3 para reescrever e se terminar posto até o final da noite.

Alguns podem está se perguntando quando voltarei escrever capítulos para o segundo arco. Não tenho uma previsão. Por hora vou focar em reescrever os capítulos do primeiro arco.

________________________________________________________________________________

Freya vs Águia Soberana dos Céus

 

 

 

Freya sobrevoava uma vasta floresta localizada á cinco quilômetros de distância, leste de Godheim. O mar de árvores estendia-se por vários quilômetros, terminando em uma cadeia de montanhas, formando um padrão de rocha intransponível.

Seu cabelo loiro chicoteava violentamente, por causa da alta velocidade que voava sobre as copas de árvores.

Freya fechou o olho esquerdo, e falou:

―「Visão de Hórus」!

Seu olho direito se transformou na representação do sol. Todas criaturas que vivem na luz, em um raio de dezenas de metros, não podia se esconder de seu olhar. Além de animais e pequenos monstros, não havia encontrado nenhum sinal de vida humanoide inteligente.

Depois, Freya, fechou o olho direito e abriu olho esquerdo, transformando na representação da lua. Todas criaturas que habitam a escuridão não pode esconder sua presença, cobrindo todos pontos cegos.

Sobrevoou executando a mesma habilidade, procurando por qualquer forma humanoide inteligente.

Apesar de Freya não estar levando sua tarefa de ânimo leve. Estava imersa em seus próprios pensamentos. As maçãs do seu rosto se tornaram vermelhas ao lembrar-se do rosto de seu amado criador, cada palavra, o olhar afiado que parece ver através de tudo.

― Lorde Supremo é realmente muito gentil ― disse Freya num tom afetuoso. ― Enquanto os demais lordes nos abandonaram, nós deixando a mercê do destino. Ele ficou ao nosso lado, cuidando de nós, como se fosse seus filhos, com todo amor de seu coração benevolente.

Freya diante seu criador mantinha uma imagem de guerreira séria, valente, e não ousava deixar suas emoções transparecer em seu rosto.

Mas, agora que estava sozinha. Podia deixar todo aquele sentimento intenso por seu criador, fluir, deixando seu rosto completamente vermelho como um pimentão.

― As Senhoras Supremas LizaGarden e Saber-Lala falaram que não havia limites para o amor ―disse para si mesma. Sentindo um sentimento novo, além de veneração e respeito. ― Pode ser que eu seja egoísta por desejar esse tipo de amor?

Freya que foi criada a partir do sopro de seu criador, não compreendia bem os novos sentimentos que estavam surgindo em seu coração. Tudo que sabia sobre o amor era a partir das conversas entre os lordes supremos.

Continuou voando em frente, como uma flecha que foi disparado por um arco, captando a presença de vários monstros na floresta. Sobre a cabeça de todos flutuavam pequenas telas com os dados de suas forças, habilidades e nível.

Não representavam um perigo para si, nem para o mais fraco dos habitantes de Godheim.

Então, de repente, detectou uma grande presença sobre si. No alto, voando entre as nuvens brancas, uma imponente águia gigante de penas verde soltou um grito agudo, um silvo que reverberou pelos céus.

― Águia Soberana dos Céus nível 35 ― Freya murmurou, analisando os dados. ― Comparando com os monstros inferiores de antes, nada mal.

A monstruosa águia fechou suas asas, com uma envergadura de dez metros, entrando em mergulho em direção da invasora de seu território.

Apontava suas garras para invasora, afiadas como uma espada de aço refletindo os raios de luz solar.

Sua velocidade se tornou mais rápida, como uma bala disparada por rifle de precisão, criando ondulações no ar. O ar ao seu redor circulava numa velocidade aterrorizante, se as garras não pudesse ferir o invasor, os ventos ao redor de seu corpo iria estraçalhar o corpo de qualquer ser vivo.

Freya bufou friamente.

― Uma reles ave ousa me desafiar? ― disse com desdém.

Na sua mão direita, Freya materializou uma lança dourada envolto por uma onda de energia sagrada. Item classe lendário chamado de「Lança de Reginleif」. Item que pode ser usado apenas por jogadores do sexo feminino e da Classe Transcendental Valquíria ou Plêiade.

Na mão esquerda, materializou um escudo oval dourado, esculpido com a imagem vívida de um sol vermelho. Quem olhasse a imagem teria a ilusão de que estava se movendo, dançando no escudo. Item classe lendário「Escudo do Sol Svalin」, considerado um dos melhores escudos de defesa do jogo Arcádia.

Como o jogo oferecia uma diversidade de missões envolvendo todas mitologias possíveis, era possível colecionar itens lendários de diferentes mitologias. Por Freyr ser um amante da mitologia nórdica e céltica, muitos dos itens em sua posse tinham relação com as lendas e heróis do mundo nórdico e celta.

Desenhando um sorriso zombador, Freya bateu suas asas, desviando para o lado. Passando poucos centímetros de distância. Os poderosos ventos berserker da monstruosa águia foram bloqueados por uma espécie de barreia invisível ao redor de Freya.

― Anulação de Dano Elemental IV ― disse ela. ― Danos elementais causados por inimigos abaixo do nível 50 são completamente anulados, ou, seja reles ave, não há como os ventos produzidos pelo bater de asas de um inseto me ferir!

Como se tivesse compreendido cada palavra de Freya. A monstruosa águia soltou silvo agudo cheio de raiva e bateu suas grandes asas, produzindo uma forte rajada de vento que arrancava as árvores do solo. Logo, dois pequenos tornados surgiram, devastando tudo em direção da invasora.

― Barulhento demais ― disse Freya franzindo a testa..

Freya voou em direção da águia monstruosa. Diante os dois furacões, brandiu sua lança desenhando uma bela trilha dourada que desbotava no ar. O ataque perfurou o ar, desencadeando uma poderosa pressão como uma onda de poder ilimitado. Sob tal pressão os furacões foram dissipados, e as árvores ao redor foram esmagadas.

Um simples brandir de sua lança carregava um poder surreal.

A monstruosa águia tinha certo nível de inteligência. Naquela região da floresta, não havia outra existência nos céus mais forte do que si. Um soberano dos céus sem rivais. Contudo, hoje havia se deparado com uma terrível existência que o fazia sentir-se como os pequenos animais que caçava na floresta e planícies.

De alguma forma ele sabia que diante do olhar daquela existência, menos do que uma presa, ele não era nada mais do que um inseto irritante.

A águia monstruosa ouviu seus instintos que gritavam para fugir. E bateu suas asas com toda sua força, voando para o local mais distante possível da pequena humana de asas.

― Fugindo? ― zombou. ― Quero ver tentar!

O corpo de Freya foi preenchido por um leve brilho dourado. Ela bateu suas asas, seu corpo se transformou numa névoa de pó de ouro cintilante, movendo-se como uma velocidade absurda, reaparecendo diante a monstruosa águia como se tivesse teletransportado.

Freya moveu seu escudo, golpeando a cabeça da monstruosa águia, atordoando-a. Depois, golpeou a cabeça da águia com uma estocada da lança de Reginleif. Para a monstruosa águia, a lança se movia em câmera lenta, mas, como em um pesadelo, não conseguia mover-se do local.

Seus olhos estavam preenchidos de terror. Lamentando o fato de ter atacado essa humana assustadora. O ato era o mesmo de um coelho saltando para a boca de um lobo…

…Um lamentável erro que pagaria com sua vida.

― Sinta orgulho, reles ave, por que morrerá por minhas mãos ― suas voz era fria, metálica, uma voz inumana. ― Poderá em toda sua vida obter maior honra?

Não houve resposta… E nunca haverá.

A ponta da lança perfurou a cabeça da monstruosa águia, espalhando sangue e miolos para todos lados. O enorme corpo da águia caiu sobre as árvores, esmagando-as… E antes de perder a vida, debateu-se como uma galinha que foi degolada.

Apesar da aparência de Freya, ela estava longe de ser um humana normal.

Embora estivesse longe de estar no mesmo nível de seu criador, era um NPC da raça Amazona – uma raça do sexo feminino que tem altos status de força e vitalidade -, tornando-a racialmente mais forte do que os demais NPCs. E, de suas cinco classes, duas delas eram classes transcendentais, tornando-a o mais forte NPC de Godheim.

No jogo, além do nível do jogador, o fator determinante que definia quem era mais forte era as classes possuídas por um jogador.

Um jogador que só possui classes clássicas estará em desvantagem contra um jogador que possui classes raras. E um jogador que possui classes raras, estará em desvantagem contra um jogador que possui classes secretas… E assim por diante.

Jogadores que possui classes transcendentais e divinas eram existências supremas, comparados com semideuses e divindades.

Freya seguiu sobrevoando a região da floresta ate chegar a um grande rio que cortava toda floresta. Próximo das margens do rio encontrou várias construções, uma aldeia rústica dos tempos medieval, com vários habitantes fazendo suas atividades diárias.

― Completei minha missão ― seus lábios se curvaram em um sorriso satisfeito. ― Espero que meu amado criador fique satisfeito com essa pequena aldeia… Embora não sejam humanos.

Freya fechou seus olhos, mandando uma mensagem telepática para seu criador, relatando o achado.

Anúncios

5 comentários em “Nefoedd (Reescrito): Capítulo 2.5

    1. Vou reescrever aos poucos, enquanto vou postando capítulos de outras novel.
      Sobre histórias de um mago, por hora não tenho uma previsão. O quarto arco vai ser importante, requer planejamento e quebrar a cabeça um pouco kk

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s