Nefoedd (Reescrito): Capítulo 7

Verdadeira Natureza das Pedras Mágicas!

 

 

>>>>> 1 <<<<<

 

 

 

No Palácio Valhala.

Em um quarto luxuosamente mobiliado.

Freyr estava de pé em meio do quarto, com a metade superior de seu corpo nu, revelando seus músculos bem treinados. Ele olhava por entre os ombros o reflexo de suas costas em um grande espelho de moldura requintada. O que ele estava encarando não eram seus músculos, mas sim o meticuloso diagrama vermelho-dourado em forma de um feroz javali tatuado em suas costas.

Esse diagrama representava o poder final da classe「Deus da Guerra」.

Esse diagrama era uma habilidade final.

Habilidades finais eram obtidas ao atingir o nível máximo de uma classe. Funcionavam como uma magia suprema, um ataque especial de grande área de efeito que infligi pesados danos no oponente, ou podem lançar buffs poderosos em massa em seus aliados – o efeito de uma habilidade final variava dependendo da classe.

Em todo caso, habilidades finais são poderosos movimentos especiais que podem ser usados uma vez por dia.

E havia no total de cinco diagramas tatuados em suas costas – cada um representando a habilidade final de suas cinco classes.

Pensando bem a última vez que utilizei a habilidade final da classe「Deus da Guerra」, foi naquela invasão a Godheim organizado pela Guilda Gefallenen. Se não fosse por essa habilidade final, nos teríamos perdido a batalha naquele dia… Aquele cara de nome complicado era realmente perigoso.

No que ficou conhecido como “Batalha do Ragnarok”, foi a única vez que ele chegou a pensar que perderia. Seu adversário, Mestre da Guilda Gefallenen, era o jogador mais forte que havia enfrentado no jogo. Se não fosse pela diferença entre seus equipamentos e habilidades finais, talvez ele tivesse perdido a luta.

Ele, ou ela, parecia me odiar apesar de nunca ter encontrado com ele antes. Pensou Freyr, ate hoje ele não tinha certeza se o Mestre da Guilda Gefallenen era um homem ou mulher. Embora tenha a possibilidade dele ser um jogador membro de alguma guilda destruída por nós… Éramos realmente odiados por outros jogadores.

Freyr balançou a cabeça, espantando as memorias dos velhos tempos.

― Agora que confirmei a existência dos diagramas das habilidades finais, estou mais tranquilo.

Sem poder acessar sua árvore de habilidades ou o console do jogador que permite ver as informações de seu avatar, Freyr ficava ansioso com a possibilidade de suas habilidades finais não poder ser usadas nesse mundo. De alguma forma ele podia sentir as habilidades de suas classes como uma extensão de si. Mas mesmo assim precisava testa-los para tranquilizar sua mente, e a melhor forma era ativando suas habilidades.

Ele havia testado todas habilidades que geravam buffs nos aliados, comprovando que funcionavam. Não havia testado as habilidades ofensivas, pois temia acabar causando algum dano na estrutura de Godheim. Isso não era um exagero por parte de Freyr. Devido suas habilidades passivas, um simples movimento de espada carregaria um grande poder destrutivo.

Esqueça utilizar qualquer habilidade final, mesmo para utilizar uma simples habilidade ofensiva teria que ter extremo cuidado.

Vou testar minhas habilidades ofensivas em alguma área remota e desabitada, pensou Freyr. Mas deixando de lado esse assunto, minha aparência e bastante intimidador.

Freyr tinha aproximadamente 2 metros de altura, corpo robusto de músculos delineados – exalando uma atmosfera opressora. Cabelos escuros, emoldurando um rosto anguloso. Rosto de um Guerreiro. Seus olhos de um azul-escuro, insondáveis como um mar profundo, dava ao rosto uma aparência selvagem e exótica.

Ele sabia que não era somente sua aparência, mas também o ar ao seu redor. Sua presença em si era intimidante – fato que ficou claro durante sua visita a Vila dos Homens Raposas. Em todo momento durante sua conversa com o chefe da vila era visível seu nervosismo e olhar temeroso, como estivesse diante uma fera perigosa.

Melhor ser temido do que amado, pensou ele. Tudo fica mais simples quando a outra parte teme despertar sua ira. Contudo e importante manter um equilíbrio… Eu deveria ter lido a Arte da Guerra de Maquiavel.

Dispersando pensamentos inúteis. Sua atenção voltou para duas belas garotas posicionadas atrás dele, segurando elegantes mudas de roupas.

Elas eram gêmeas, vestindo o que parecia a mistura de uma roupa de empregada com equipamentos de um cavaleiro.

Elas tinham cabelo carmesim com mechas douradas, cabelo longo arrumado em um rabo de cavalo. E ambas garotas usavam uma diadema na testa, feito de prata adornado com pequenas gemas azuis.

Com aproximadamente 1,60 centímetros de altura, tinham um corpo esbelto, delicados como pequenas fadas. Sobre o uniforme de empregada, na parte superior do corpo, usavam peitoral, ombreira e manoplas de mithril com desenhos bem elaborados. Na parte inferior do corpo usava um cinturão com broches bem elaborados; saia curta do uniforme de empregada que revelava suas pernas delgadas cobertas por meias brancas; calçando bota de mithril com asas laterais.

Preso na correia do cinturão havia a bainha com uma espada com a lâmina fina, uma rapieira.

Seus olhos eram duas lagoas prateadas.

Em todos aspectos eram iguais, com exceção dos peitos: uma tinha peito plano, liso, enquanto a outra tinha seios farto que ameaçava sair do uniforme de empregada.

Elas eram Reya e Elis – parte da equipe de cavaleiras empregadas de Valhala –, empregadas pessoais de Freyr.

Nos primeiros dias Freyr sentia-se incomodado. Antes de se tornar seu avatar Freyr Pendragon, ele era uma pessoa comum. Por esse motivo não se sentia bem com a ideia de duas belas garotas o servindo e o seguindo como sua sombra.

Contudo, Freyr era o Lorde Supremo de Godheim, não podia dar o luxo de demonstrar fraqueza. E como um governante devia agir como tal. É foi o que ele fez.

Freyr deixou de lado seus sentimentos pessoais, e começou a empenhar seu papel como “Lorde Supremo”.

Sem falar nenhuma palavra, Freyr levemente fez um gesto com a mão, sinalizando para as duas empregadas.

Elas deram um passo a frente e em uníssono perguntaram:

― Mestre, o que deseja vestir hoje?

Freyr levantou a mão até o queixo, franzindo a testa em pensamentos profundos. Como Lorde Supremo de Godheim, todos olhos dos NPCs estavam focado nele. Freyr usaria seu equipamento de sempre, mas sendo a maior autoridade em Godheim, não seria apropriado estar sempre com a mesma roupa.

Para não correr risco de usar uma roupa extravagante demais, deixou a decisão nas mãos de suas empregadas pessoais. Então todos dias, cada uma escolheria um par de roupa e Freyr escolheria a roupa a partir de uma das duas empregadas.

Depois de um tempo, olho para Elis e sorriu satisfeito.

― Para hoje vestirei as roupas que Elis escolheu. Obrigado por seu trabalho duro!

― Estou cumprindo apenas com meu dever, mestre ― disse Elis com uma voz bem articulada, mas ao mesmo tempo era possível identificar empolgação em sua voz. ― Por favor, me permita vesti-lo.

― Mestre, por favor, me permita vesti-lo ― disse Reya em sequência.

Sem escolha, diante aqueles olhares cheios de expectativas, meneou positivamente com a cabeça.

As duas curvaram a cabeça para Freyr e com elegância iniciaram seu trabalho.

No processo, Freyr podia sentir o toque suave das mãos das gêmeas por seu corpo, os seios delas pressionando seu corpo enquanto ficavam na ponta do pé para vesti-lo. Para Freyr, era uma sensação incrível, muito estimulante, mas mantinha seus desejos e libido sobre controle.

Não desejava atacar suas duas empregadas para satisfazer seus desejos sexuais…

Contudo era uma tarefa extremamente difícil. Apesar de tudo Freyr era um homem saudável, e todos NPCs femininos de Godheim eram belezas únicas. Nessa situação não sabia até quando ele conseguiria controlar seus desejos.

Após terminar de vestir Freyr as empregadas gêmeas deram um passo para trás, contemplando-o com um olhar brilhante.

Ele se virou para o espelho e olhou para seu reflexo.

Sob um manto dourado, usava uma túnica escura bordado com o desenho de um cálice de ouro. Em seus antebraços usava braceletes de ouro, meticulosamente esculpidos imagens de corvos, lobos e cervos.

Seu cinturão era cravejado com rubis do fogo. Aonde havia uma elegante bainha branca, ornamentada com ouro e prata, com uma espada cujo punho era uma gema carmesim com luzes dentro que brilhavam como estrelas.

Essa espada era um item exclusivo e único em todo jogo.

O nome da espada era: Betelgeuse Alpha Orion.

Freyr tocou o punho da espada sentindo o poder único e transcendental, revestindo seu corpo com uma aura flamejante. Não eram chamas comuns. Eram as chamas de uma estrela.

No jogo Arcádia houve um evento que enlouqueceu seus milhares de jogadores.

A constelação Orion cintilou no céu noturno de Arcádia e desapareceu misteriosamente. Esse foi o início do evento chamado de: The Seven Stars of Orion (as setes estrelas de Orion). Iniciando-se uma das maiores buscas de toda história do jogo.

Freyr lembrava que na época havia vazado a informação que no fim do evento. Os setes primeiros jogadores que completar o evento, desbloqueariam a Profissão Secreta「Cavaleiro Estrelar」, e uma das sete espadas exclusivas feito a partir de uma das estrelas da constelação Orion.

Freyr foi um dos sete jogadores a completar o evento, adquirindo a Profissão Secreta e a espada indestrutível, Betelgeuse Alpha Orion.

A espada com o poder de convocar o fogo das estrelas.

Ele nunca esqueceria todo trabalho e a satisfação ao adquirir Betelgeuse.

― Bom deve estar na hora da reunião do conselho de guerra ― murmurou para si mesmo, enquanto andava em direção a porta do quarto. As empregadas gêmeas sem dizer nenhuma palavra abriram a porta antes que ele pudesse protestar contra. ―…Obrigado.

Não era a primeira vez aquilo acontecia. Na verdade, para sua surpresa, estava se acostumando bem a toda aquela situação. Freyr suspeitava que estava acostumando-se bem até demais.

No fim deixou esses pensamentos de lado e se dirigiu para a Sala do Conselho de Guerra.

 

 

>>>>> 2 <<<<<

 
Sobre uma mesa redonda de mármore polido. Havia o esboço de um mapa da região leste da Grande Floresta de Orman. No mapa mostrava as tribos que haviam se submetido, jurando lealdade a Freyr, como aqueles que teimosamente recusaram-se jurar lealdade – para esses não houve um bom final.

Sentado na cadeira mais importante da Sala do Conselho de Guerra, Freyr ouvia atentamente o relatório sobre o progresso da eliminação das tribos hostis da região leste.

Quem fazia o relatório era o General Golem de Guerra.

O General Golem de Guerra era um constructo de alto nível com suas habilidades voltadas para liderança e estratégia. Sua aparência era de uma armadura pesada vermelho-escuro. Elmo no formado da cabeça de um touro, no espaço vazio aonde é localizado os olhos havia duas orbe vermelho flamejante.

Com aproximadamente 5 metros de altura, lançava uma pressão invisível as pessoas ao seu redor.

Freyr criou os constructo série Golem de Guerra com o designe de um lendário mostro: Minotauro.

Havia três tipos de Golem de Guerras: Soldados, Berserkers e Senhores da Guerra.

Os três tipos tinham a mesma aparência, diferenciando-se apenas em seu tamanho e os materiais usados na sua construção.

Golem de Guerra tipo Soldado era feito a partir de minérios de ferro e tinha o menor tamanho, 2, 50 centímetros de altura. Usam grandes espadas e escudos torres. Atualmente Freyr os estava usando para ajudar na fortificação da vila e na construção de uma estrada que ligaria a Vila dos Homens Raposas a outros pontos estratégicos da região leste da floresta.

O segundo tipo Berserker tinham 3 metros de altura, construídos a partir de Mithril Escuro – um metal mágico raro no jogo -, tornava os golem de guerra berserker verdadeiro tanques de guerra. Eram imunes a magias da quinta camada para baixo e tinham grande resistência a ataques físicos.

Uma vez que avançavam, com grandes escudos torres e machados de guerra, nada poderia para-los. Verdadeiras máquinas de guerra.

O último tipo Senhores da Guerra, tinham 5 metros de altura, construídos a partir de um minério raro chamado de Vermilion – também chamado popularmente pelos jogadores de Mithril vermelho -, que pode ser encontrado apenas nos covil de um perigoso Dragão Ancião Vermelho.

Freyr olhou orgulhoso para sua criação.

Então uma dúvida surgiu.

…Qual o nome dele mesmo?

Freyr, sem sucesso, tentou lembrar o nome do General Golem.

Na verdade Freyr não lembrava o nome nem da metade dos Golem que havia criado. Eram muitos. Por essa razão não lembrava o nome de todos.

Concentrou-se na habilidade「Visão de Heimdall V」e deixou o conhecimento do constructo fluir em sua mente.

Ah, seu nome era VermilionMinus! Pensou satisfeito.

― A Campanha de Conquista da parte leste da Grande Floresta de Orman está em sua etapa final ― disse VermilionMinus. Sua voz era grave. Metálica. Seu dedo traçou um caminho pela parte leste da floresta até um monte rochoso. ― Aqui fica o covil daquelas malignas criaturas, Criador. Seus números são aproximadamente entre 270 a 300 semihumanos, composto por goblins e orcs. Estamos prontos para esmaga-los assim que for dada a ordem.

Freyr encarou o mapa com seriedade.

A Grande Floresta de Orman era uma vasta área com um terreno de difícil acesso. Sem mencionar vários monstros de alto nível. Motivo o suficiente para inibir qualquer tentativa de conquista da floresta.

Conquistar a Grande Floresta de Orman era impossível para um exército mundano.

No entanto o mesmo não vale para Freyr – embora ainda sim seja uma tarefa árdua.

Seu exército era composto por golem de guerra liderados pelo Constructo General VermilionMinus. Cuja lealdade ao seu criador era inabalável. Esses constructos não precisavam de comida ou descanso. Podem marchar eternamente até cumprir as ordens de seu mestre.

Freyr havia dado duas ordens simples: conquistar a região leste da floresta e eliminar todos que não jurarem lealdade ao Lorde Supremo de Godheim.

E com perfeição executaram suas ordens.

Além da Vila dos Homens raposas, a parte leste da floresta era habitada por mais três raças de semihumanos: Orc, Goblins e kobolds.

kobolds era uma raça humanoide de cachorros bípedes. Ferozes e brutais. Não dobraram os joelhos.

Sem piedade ou remorso. O exército de Golem de Guerra exterminou toda uma raça e não deixou nada além de um monte de cinzas. Deixando claro o preço a se pagar por desafiar o Lorde Supremo de Godheim.

Freyr estava ciente que esse método era cruel. Mas também sabia que não conquistaria a Grande Floresta de Orman com flores e um punhado de palavras bonitas.

Lamentável, pensou Freyr. Eles dariam ótimos cães de guarda.

Freyr gostava de animais, principalmente de cachorros. E os kobolds o lembrava muito cachorros bípedes. Agora tudo que restava daqueles fantásticos cachorros bípedes eram suas peles – usadas por seus artesões para fazer roupas para o povo dos Homens Raposas.

Freyr estava surpreso.

Não havia se passado nem duas semanas desde que havia conseguido a lealdade do povo dos Homens Raposas, e nesse curto período de tempo havia quase conquistado toda região leste da floresta.

― General VermilionMinus, você fez um bom trabalho ― disse Freyr com orgulho. Olhou mais uma vez para o mapa e apontou o dedo para uma área estratégica. ― Retorne com suas forças para a base de Godheim e proteja o perímetro. Eu vou lidar com os inimigos restantes…

Antes que pudesse terminar a frase, como ele esperava, Freya protestou.

― Lorde Supremo, não precisa sujar suas mãos com uma tarefa tão mundana! Por favor, me permita cumprir a tarefa em seu lugar!

― Não é necessário ― respondeu numa voz de aço. ― Eu mesmo irei lidar com os inimigos restantes.

― Mas… Lorde Supremo…

― Basta! ― disse Freyr interrompendo-a. ― Eu já tomei minha decisão, Freya.

Ela voltou ao seu lugar com uma expressão abatida

Acho que fui duro demais em minhas palavras, pensou Freyr. Mas é necessário, se fosse depender dos guardiões do templo eu nunca deixaria Godheim. Preciso também lutar, descobrir até que patamar meus poderes podem alcançar nesse novo mundo.

― Ouço e obedeço, Criador!

O General VermilionMinus fez uma profunda reverência e deixou o conselho de guerra com passos ruidosos.

Além das empregadas gêmeas posicionadas atrás de Freyr. Na Sala ficaram apenas os guardiões do templo e seus subordinados de alto nível.

Após a saída do General Golem, Dana levantou do lugar e colocou sobre a mesa algumas das pedras mágicas dadas pelo chefe da vila dos Homens Raposas.

― Lorde Supremo, conforme ordenado analisei minuciosamente essas pedras mágicas. Primeiramente, gostaria de explicar para meus companheiros de templo presente sobre sua verdadeira natureza! ― disse Dana com ânimo, seus olhos esmeraldinos pareciam arder em chamas. ― A pedra mágica é o resultado de um fenômeno que chamo de “cristalização da Mana”, ou seja: parte da energia mágica se cristaliza em uma pedra mágica. Quanto maior for a mana da criatura, maior será a pedra mágica.

Dana ajeitou seu chapéu pontudo e materializou outras pedras mágicas maiores, brilhantes, como se as estrelas do céu haviam sido cristalizadas em gemas.

― Essas são pedras mágicas retiradas a partir de monstros da floresta ― explicou. ― Além do tamanho maior, a concentração de energia e pureza são maiores! ― os guardiões do templo tinham expressões confusas. Com uma risada desdenhosa ela explicou: ― Em termos que meus companheiros de templo possam entender: as pedras mágicas anteriores são de nível inferior, enquanto essas a partir de monstros são de alto nível.

Dana, com as classes: 「Bruxa dos Quatro Elementos」,「Escriba Arcana」,「Lendária Invocadora」,「Mestre Alquimista」e「Mestre Artesão Mágica」. Era a maior autoridade sobre assuntos mágicos de Godheim.

Freyr por causa de suas classes「Paladino Mágico」 e「Senhor dos Golem」, tinha uma certa compreensão sobre a magia Arcadiana. E com auxilio de habilidades passivas, conseguia acompanhar a explicação da Guardiã Dana.

Fiz a decisão certa deixar a analise das pedras mágicas com ela, pensou Freyr. Só não esperava que ela tivesse um grande entendimento de algo desconhecido de outro mundo. Pode ser por causa de suas estatísticas elevadas de Sabedoria e Inteligência elevadas?

Dana deu uma verdadeira palestra sobre magia de Arcádia, e a natureza estranha da magia de Nefoedd. O que é a magia? Por que a natureza da magia de Nefoedd era diferente da magia de Arcádia? Por que a mana de certas criaturas cristaliza em pedras mágicas?

Era uma das inúmeras questões sem respostas que Dana apresentou.

Nessa altura, para os guardiões e seus subordinados, Dana estava falando um idioma estranho.

De certo ela havia enlouquecido e se animado demais ao falar sobre magia.

Somente após uma longa palestra sobre os vários aspectos da magia de Nefoedd. Concluiu, dizendo que as pedras mágicas eram tesouros inestimáveis para Godheim.

― As pedras mágicas, não são somente pedras mágicas ― disse misteriosamente. Fez uma pausa de proposito para aumentar o impacto e concluiu: ― São também Exp cristalizado!

― Exp cristalizado? ― questionou Freyr.

Dana, pomposamente andou com o nariz empinado para cima até o lado de Freyr e entregou uma pedra mágica aparentemente de alta qualidade.

― Por favor, quebre-a.

Freyr contemplou a pedra mágica por um instante, antes de colocar força na mão, esmagando-a entre seus dedos.

Para a surpresa de Freyr, ao invés da pedra mágica ser esmigalhada, transformou-se em um fluxo de energia. Fluindo para dentro de seu corpo, preenchendo-o com uma leve sensação de fortalecimento.

― ..Dana como isso é possível?

No jogo Arcádia o nível máximo que um jogador poderia alcançar era o nível 100. Era uma restrição absoluta. Mas agora, quando absorveu o fluxo de energia da pedra mágica, sem dúvidas nenhuma havia recebido pontos de Exp!

Mas… O que esta acontecendo aqui?!

Freyr estremeceu com a possibilidade de aumentar de nível.

― Infelizmente, não compreendo totalmente a natureza por trás desse fenômeno. Da mesma forma que não consigo compreender como funciona a estátua na Vila dos Homens Raposas. Ah! Esse mundo é cheio mistérios maravilhosos! Simplesmente maravilhoso!

Dana havia enlouquecido, seu rosto estava em júbilo, rodopiando graciosamente pela Sala de Conselho de Guerra.

De súbito, Freyr levantou da cadeira submetendo todos presente em uma pressão invisível, como onda sobre ondas, forçando suas cabeças para baixo.

Freyr deu ordens, ordens que carregavam o peso das palavras de um Deus.

― A informação sobre as pedras mágicas a partir de agora é uma informação ultra secreta! Dana após ajudar na construção da estrada, priorize as pesquisas das pedra mágica, qualquer nova informação relate diretamente a mim!

Todos presente levantaram e curvaram a cabeça mostrando sua lealdade.

― Ouvimos e obedecemos, Lorde Supremo!

Freyr sorriu e voltou ao seu lugar. Continuaram com o conselho, discutindo outros assuntos importantes para Godheim.

Após o fim da reunião, Freyr deixou Godheim voando em direção a região leste da Grande Floresta de Orman.

Estou curioso para ver o progresso da construção da estrada, pensou ele. E também como anda a fortificação da vila. Talvez sejam necessário alguns reajustes, e distribuir recompensas ao povo mostrando os privilégios daqueles que juraram lealdade.

Um governo regido pelo medo, por mais eficiente que seja no começo, no futuro irá ser fonte de vários problemas. Por essa razão era importante recompensas. Fazer com que eles desejem ser governados, ansiar por receber ordens, era o ideal para Freyr.

Chicote em uma mão e doce na outra, pensou Freyr. Para cada boa ação, doce. Para desobediência o chicote. Uma forma meio distorcida do método de adestrar cachorros, mas deve funcionar por hora.

Freyr suspirou melancolicamente, perguntando-se quando ele havia se tornado tão sem coração.

― O coração dos homens muda a cada sopro do vento, a cada novo ambiente, e as pessoas ao seu redor… O coração dos homens sofrem constantes mudanças… ― murmurou as palavras ditar por sua amiga LizaGarden. ― O teu atual morre ao fechar seus olhos, imergindo nos doce mundo dos sonhos. E ao abrir os olhos, em um novo dia, um novo amanhecer, nasce um novo você, mudado…

Às vezes ele não compreendia as palavras de LizaGarden, mas sempre as guardava em seu coração.

Com esses pensamentos chegou a vila dos Homens Raposas.

 

Anúncios

6 comentários em “Nefoedd (Reescrito): Capítulo 7

  1. ―A informação sobre as pedras mágicas a partir de “agroa” é uma informação ultra secreta!Dana após ajudar na construção da estrada, priorize as pesquisas das pedra mágica, qualquer nova informação me avise!

    pinpom* pinpom*
    um pequeno erro ali

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s