Arauto Negro (Versão Alternativa): Capítulo 5

Representante de Classe! (Parte 2)

 

 

>>>III<<<

 

 

 

O ginásio que estava sendo realizado os testes dos alunos do 1º ano era um local fechado, menor quando comparado com o ginásio que havia sido realizado a cerimônia de abertura. A arena havia sido dividida igualmente entre as classes do 1º ano.

 

A Professora guiou a classe através da arena, passando pelos alunos de outras classes fazendo filas em frente da área de teste. Ela parou de frente a um console de controle, operando-o, fez aparecer um grande chapa de metal grossa com uma espessura de 12, 35 mm, com um alvo pintado.
― Essa chapa de metal é feito com certas liga metálicas resistentes a magia, embutidos com sensores que captaram a energia mágica ― disse a Professora. ― Através da chapa de metal esse console irá avaliar o nível de magia utilizado no encantamento e dará uma pontuação! Resumindo: quanto maior a energia mágica utilizada no encantamento, melhor será sua pontuação! Quem será o primeiro?

 

Seu olhar varreu os trinta alunos que estavam hesitantes em serem os primeiros. Quando ela pensou que nenhum aluno teria coragem de candidatar-se, Diana Yuful deu um passo a frente.

― Eu serei a primeira, Professora!

 

― Muito bom. Diana se posicione a dez metros do alvo e pode iniciar a sequência rúnica a qualquer momento.

 

Diana assentiu calmamente e entrou dentro da área de deste, ficando dez metros de distância da chapa de metal.  Em suas mãos ela segurava um dispositivo auxiliar de invocação tipo espada, com uma gema verde embutido em seu pomo.

 

Diana respirou fundo e apertou com firmeza o cabo da espada, adotando uma postura de combate.

 

Seu corpo exalou uma tênue luz esverdeada, fluindo para espada. Sem qualquer palavra, apenas utilizando sua energia Diana ativou a sequência rúnica armazenada na gema do dispositivo auxiliar de invocação tipo espada.

 

O ar calmo ao redor dela se agitou e tornou-se uma ventania, circulando ao redor da espada. Girando sua cintura, descreveu um arco horizontal com a espada, lançando uma lâmina de ventania contra a chapa de metal.

 

A lâmina de vento seguiu sua trajetória, seguido por um zumbido, atingindo em cheio o alvo com ruído metálico ensurdecedor.

 

No visor do console de controle surgiu uma pontuação.

 

 

  • Diana Yuful. Pontuação: 220!

 

 

― Oh! ― exclamou a professora. ― Uma alta pontuação vindo de um encantamento básico da Magia Elemental Vento! ― elogiou sinceramente e perguntou: ― Quem será o próximo?

 

Marcos deu um passo e entrou na área de teste.

 

― Eu, Marcos, mostrarei o poder da Casa Barduck! ― em um tom arrogante ele cuspiu aquelas palavras em direção ao Aur como se fosse um aviso. ― Ativar Sequência Rúnica Ofensiva: Punhos Tiranos da Água!

 

Faixas de luz rúnica circularam ao redor do braço direito de Marcos. Torrentes de águas surgiram do nada e envolveu todo seu braço, transformando-o em um enorme braço aquático.

 

Marcos correu em direção a chapa de metal, acertando o alvo com um golpe de seu braço aquático, fazendo a chapa tremer pela força do impacto.

 

 

  • Marcos Barduck. Pontuação: 450!

 

 

― Nível intermediário da Magia Elemental Água! ― exclamou a Professora admirada pela façanha de Marcos. ― Tão jovem e já consegue usar com tanta proficiência desse nível! Muito promissor!

 

Embora muitos alunos não gostaram da atitude arrogante de Marcos, tiveram que admitir que ele tinha a força para agir de tal forma. Mesmo entre eles, poucos poderiam usar magia nível intermediário com tanta proficiência. Isso só mostrava a diferença entre eles e o futuro promissor que tem pela frente.

 

Depois de Marcos muitos alunos tentaram seu melhor, mas a melhor pontuação ficava pouco acima de 220.

 

― Próximo!

 

Rana respirou e deu um passo em frente.

 

― Faça seu melhor companheira! ― disse Aur, sorrindo.

 

Ela travou em seu lugar ao ver o sorriso de Aur. Um sorriso que havia visto muito tempo atrás. Lembrou-se da primeira vez que ela havia encontrado a criança de cabelo prata e olhos vermelhos admirando as flores do jardim.

 

― Obrigado ― Rana murmurou com o rosto levemente corado.

 

Se posicionando a dez metros de distância da chapa de metal. Tentou se concentrar no alvo, mas não conseguia tirar as lembranças de seu primeiro encontro com Aur. Seu coração estava agitado com aquele sentimento quente que ela havia pensado ter desaparecido.

 

Não se engane Rana! Disse para si mesma em seu coração. Não deixe se enganar por esse sorriso inocente. Esses sorrisos. Expressões. Tudo uma máscara. Por que ele não compreende esses sentimentos.

 

Rana segurava um dispositivo auxiliar de invocação tipo lança, embutido com gemas azuis. Ao redor do cabo da lança sintética pulsava linhas de energia branca.

 

― Iniciar Sequência Rúnica de Convergência de Ar Frio…

 

Todo ar ao redor da área convergiu para a lança sintética e ao mesmo tempo as linhas de energia branca começaram a pulsar como tivessem vida própria.

 

A temperatura ambiente começou a cair gradualmente.

 

― Ativar Sequência Rúnica Ofensiva: Raio de Congelamento!

 

Rana estocou com a lança sintética, girando o pulso, liberando um raio de luz branca congelante em direção a chapa de metal. Ao atingir a chapa de metal, sua superfície foi gradualmente congelada até tornar-se um bloco de gelo.

 

No monitor a pontuação subia em sinal de parar.

 

 

  • Rana Barduck. Pontuação: 740!

 

 

O rosto de todos se tornaram branco ao ver a cena surreal da chapa de metal sendo congelada. Mesmo Aur que permaneceu indiferente durante os testes foi surpreendido pela performance dela. Se Marcos foi considerado promissor fazendo uma pontuação de 450. Então Rana poderia ser considerada um gênio com sua pontuação de 740.

 

― Raio Congelante da Magia Elementar Gelo é um encantamento nível intermediário, mas seu grau de dificuldade é parecido com um encantamento avançado ― disse a Professora com uma expressão que poderia significar qualquer coisa. ― Para ter energia mágica e compreensão suficiente para ativar um encantamento desse nível é um ato que só um gênio poderia realizar.

 

Os encantamentos de uma magia são divididos em cinco níveis: básico, intermediário, avançado, mestre e lendário. Quando maior o nível de um encantamento de um encantamento, maior é a quantidade necessária de energia mágica para invocar o encantamento. E a compreensão do fenômeno Parapsicológico do Encantamento.

 

Sequência rúnicas de encantamentos são gravadas nas gemas dos dispositivos auxiliar de invocação de um bruxo. Mas isso não significava que qualquer pessoa poderia invoca-lo. Além da energia mágica suficiente para ativação. Era fundamental uma compreensão profunda no fenômeno Parapsicológico do encantamento gravado na joia.

 

Muitos dos bruxos presente, principalmente aqueles vindo de casas nobres, passaram suas infâncias estudando fenômeno parapsicológico da magia. Estudando tediosas runas e suas milhares de combinações possíveis na construção de um encantamento. Verificando qual runa melhor representava um fenômeno parapsicológico…

 

Para ser Bruxo era necessário talento. Estudos. E muita, muita força de vontade.

 

Aur olhava para aquela garota baixinha de rosto angelical com outros olhos.

 

― Peço minhas desculpas ― disse Aur, olhando diretamente para ela. ― Havia te subestimado. Não esperava que fosse tão forte. Sinto que nossa dupla será a mais forte de toda academia!

 

Com as palavras serias de Aur, Rana sentiu novamente aquele calor agradável que tentava sepultar em seu peito.

 

― Obrigado ― respondeu Rana, desviando o olhar. ― Mas ser a melhor dupla da academia me parece uma ideia inconcebível. Ouvi falar de meu pai que muitos membros das grandes casas entraram esse ano na academia…Espera por que eu estou falando com você?! Não fale comigo!

 

― Por quê? ― perguntou Aur.

 

― Por que não gosto de você! ― respondeu Rana sem hesitação. ― Na verdade te odeio! Quando éramos jovens você nos chamava para brincar, mas no fim nos atormentava com suas magias!

 

Aur olhou fixamente para ela.

 

Muitas coisas passaram por sua mente. Principalmente suas lembranças com os irmãos Barduck. Ele tinha certeza absoluta que tratava Rana e Marcos como amigos. Na verdade eram as únicas crianças de sua idade que tinha contado. Havia ficado triste quando eles pararam de aparecer na mansão.

 

― Tudo bem ― disse ele. ― Não vou falar com você.

 

Aur mudou seu olhar para os funcionários retirando a chapa de aço congelada, iniciando procedimento de substituição por outra chapa de metal. Enquanto a troca acontecia, os pares conversavam entre si sobre as melhores pontuações da classe.

 

Rana olhou inquietamente para ele.

 

Ela estava sentindo um mal estar por ele não está falando nada.

 

Por que estou me sentido mal comigo mesma? Pensou Rana. Não gosto dele. Nem um pouco! Mas não posso parar de falar assim com ele…Sim, temos as responsabilidade de nossas casas! Por mais que seja só na aparência temos que ter certo nível de relacionamento! Não é por que eu quero falar com ele! É apenas o meu dever como uma Barduck! Sim, um dever!

 

Depois de convencer a si mesmo que estava apenas cumprindo com seu dever, pigarreou e falou:

 

― Retirou minhas palavras anteriores. Pode falar comigo.

 

― Não precisa se esforçar ― disse Aur sem olhar para ela. ― Prometo que não vou perturba-la.

 

Ela ficou parada em seu lugar sem saber o que fazer. Não era essa resposta que Rana esperava. Verdade seja dita Rana esperava que Aur pulasse de alegria por poder falar com ela.

 

Rana tomou coragem e ficou de frente com Aur. Por um longo tempo os dois permaneceram olhando um para o outro. Embora ela sentisse uma sensação estranha, como tivesse insetos subindo por sua espinha, não recuou seu olhar.

 

Pensando bem, desde que éramos crianças ela demonstrou ter essa resistência anormal aos efeitos de meus olhos amaldiçoados. Essa garota é incrível de maneiras inesperadas.

 

Aur fechou seus olhos e sorriu para ela. Pela primeira vez um sorriso sincero que vinha do fundo de seu coração.

 

Vendo aquele sorriso radiante fez seu coração bater freneticamente e as maçãs de seu rosto foram tingidas de puro vermelho. Agradeceu pelo fato dele estar de olhos fechados. Assim não poderia ver a expressão patética que estava fazendo.

 

Por quê? Perguntou para si mesmo. Coração estúpido! Por que está batendo por ele? Não havia prometido não gostar dele?

 

A primeira vez que Rana o conheceu, foi quando tinha apenas 7 anos de idade. Naquela época seu pai havia a levado para uma visita a Mansão da Casa Muggulis. A casa em si lhe passava uma sensação de frieza. Um lugar sem espaço para o amor. Mas em contraste os jardins eram coloridos, cheio de vida com suas belas fontes.

 

Me lembro claramente a primeira vez que eu o vi. De olhos fechados, Aur estava diante de deslumbrantes rosas de cores vibrantes e aroma cativante. Naquele dia o sol brilhava intensamente, iluminando sua pequena figura. As lágrimas que desciam por seu rosto cintilavam como pequenas joias…

 

Todo ar havia deixado seus pulmões e aquela imagem sublime foi marcado profundamente em seu coração.

 

Como uma garota boba acreditou que Aur fosse um príncipe encantado.

 

Involuntariamente ela sorriu.

 

Sempre sorria ao lembrar-se daquele momento especial.

 

Ela estendeu a mão para frente, querendo tocar o rosto dele, mas retraiu a mão assim que ele voltou a falar.

 

― Eu estava sendo teimoso ― disse Aur. ― Fiquei feliz por dizer que poderia falar com você novamente. Naquela época que você e seu irmão pararam de vir para a mansão, fiquei triste.

 

Rana queria ser um pouco mais sincera, mas as palavras que saíram de sua boca foram:

 

― Não entenda errado. Estou fazendo isso como um dever! Como uma Barduck tenho que manter boas relações com um Muggulis!

 

Aur sorriu amplamente em resposta.

 

― Mesmo assim estou feliz por falar com você, Rana.

 

Os dois voltaram a conversar normalmente – apesar que 80% de toda conversa era Aur provocando a jovem Barduck.

 

 

 

>IV<

 

 

Depois da chapa de meta ser trocada, os testes prosseguiu normalmente. Todos tiveram pontuações razoavelmente altas, mas nenhum conseguiu superar a pontuação de Rana.
 

Só restavam dois alunos para completar o teste: Lala Varriel e Aur Muggulis.

 

A Professora lançou um olhar complicado para os dois.

 

― Próximo!

 

Os dois se entreolharam por um longo tempo. Nenhum deles queria ser o primeiro a entrar. Mas no fim Lala desistiu e entrou na área de teste.

 

Ela segurava um cajado azul-roxeado, com runas serpenteando ao longo de sua extensão, esculpido a cabeça de uma cabeça de dragão, mordendo uma gema esférica.

 

Avaliando superficialmente o cajado, Aur sabia que era um dispositivo tecnológico de alto nível.

 

― Iniciar Sequência Rúnica de Ionização do Ar…

 

Ela apontado o cajado para a chapa de metal. Círculos de runas dentro de círculos runas, surgiram flutuando no ar. Cheiro forte de ozônio preencheu o ar, seguido pelo som de estática de correntes elétricas.

 

Levou cinco segundos para cumprir os critérios do encantamento.

 

― Ativar Sequência Rúnica Ofensiva: Relâmpago!

 

O som de estática se tornou cada vez mais alto. O círculo de runas dentro de círculo de runas produziu um clarão de intensa luminosidade cegando vários bruxos em um raio de vários metros.

 

*ZUNNN*

 

Uma corrente elétrica de grande intensidade ionizou o ar ao longo do seu percurso, criando um plasma sobreaquecido que emitia radiação eletromagnética, atingiu a chapa de metal cintilando com luzes roxas e azuis.

 

Quando as deslumbrantes luzes cessaram, havia um grande buraco esfumaçado na chapa de metal.

 

  • Lala Varriel. Pontuação: 1.050!

 

 

― Como esperado de uma bruxa da Casa Varriel ― disse Rana desanimada. ― Não é por nada a fama dos Varriel de serem os canhões do reino.

 

Aur assentiu com afirmação.

 

― Eles são especialistas nesse tipo de encantamento. Meu pai falou uma vez que líder atual da Casa Varriel afundou uma Fragata com um único encantamento. Em contrapartida seus encantamentos levam tempos para ativar e consome uma quantidade astronômica de energia mágica. Olhe atentamente para ela. É visível que ela colocou toda seu poder nesse único disparo.

 

Rana olho cuidadosamente ela e percebeu Aur estava certo. Lala ofegava pesadamente e era possível ver gotas de suor escorrer por sua testa. O encantamento relâmpago havia consumido todas suas forças.

 

― Meu pai os chama de canhões de cristal ― disse Aur, enrolando os lábios em um sorriso mal. ― Por que após alguns disparos são alvos fáceis. E quebram com a mesma facilidade de uma taça de cristal.

 

Lala foi elogiada pela professora e os alunos que aplaudiam sua performance. Não era todos dias que podiam ver uma magia tão poderosa.

 

Depois a chapa de metal ser trocada novamente, era vez de Aur.

 

― Aur Muggulis ― disse ela num tom cansado e advertiu: ― Estou ciente dos rumores que circulam ao seu redor e tenho uma ideia de sua real capacidade. Por favor, tente não fazer nada absurdo.

 

Os alunos se tornaram barulhentos ao ouvir as palavras da professora, começaram especular o que realmente significava suas palavras.

 

― F-faça seu melhor ― Rana disse baixinho.

 

Aur sorriu para ela e acenou positivamente com a cabeça.

 

Dentro da área de teste retirou de seu dispositivo de armazenamento uma varinha branca, como se fosse feita a partir dos ossos de um animal, incrustado com uma única pequena gema preta brilhante como um céu estrelado.

 

― Qual encantamento devo usar? ― perguntou a si mesmo.

 

Aur era versado em vários Temas de Magia Negra. Era muito proficiente em encantamentos de alteração de percepção, uma espécie de truque de ilusão. Mas esse tipo de magia seria inútil na situação atual. Era proficiente em encantamento de morte e decomposição, mas também seria inútil para a avaliação.

 

Após pensar cuidadosamente escolheu um encantamento de nível intermediário.

 

Ele apontou a varinha para chapa de metal.

 

― Ativar Sequência Rúnica Ofensiva: Garra Demoníaca!

 

De repente Aur foi cercado por uma aura escura. As luzes artificiais piscaram e aos poucos foram se tornando cada vez mais fracas, perdendo seu brilho. Em frente a chapa de metal surgiu das sombras cinco garras demoníacas envoltas fumaça e brasa infernal.

 

A simples visão da garra demoníaca foi suficiente para aterrorizar os alunos.

 

Para eles era como se a mão viesse do próprio inferno para pega-los.

 

Lala Varriel olhou com descrença para o pesadelo que Aur havia invocado no mundo. Diferente dos outros alunos ela sabia bem o que era aquela magia.

 

Uma invocação demoníaca parcial, pensou Lala sentindo um medo natural da mão horripilante. Meu pai viva falando dos perigos dos encantamentos profanos que essa família realiza.

 

Até hoje pensava que seu pai estava exagerando devido a rivalidade entre as duas casas, mas após ver com seus próprios olhos um encantamento profano, descobriu que seu pai falava a verdade.

 

A garra demoníaca desceu, rasgando a chapa de metal em vários pedaços como se fosse feito de papelão. Com seu objetivo concluído, desapareceu em névoa, e as luzes voltaram como se nada tivesse acontecido.

 

 

  • Aur Muggulis. Pontuação: 1.300!

 

 

O sangue deixou o rosto de vários alunos que olhavam abismados para ele, como tivessem olhando para um monstro. Aur não só havia superado a pontuação de Lala, mas destruiu uma grossa chapa de metal como se fosse papel!

 

Eles só poderiam engolir em seco e desejar nunca ser alvo daquele horripilante encantamento que poderia facilmente transformar qualquer humano em uma poça de sangue.

 

― Sinceramente estou sem palavras ― disse a Professora. ― Manifestar um fenômeno do reino  Parapsicológico na realidade, mesmo que seja parcial, não é um ato que pode ser realizado por qualquer bruxo!

 

O encantamento usado por Aur, por mais que pareça simples, era de uma complexidade e dificuldade inimaginável. O que a Professora Mika não havia mencionado é o fato de que era tecnicamente impossível fazer uma invocação demoníaca parcial com uma varinha. Seria necessário um dispositivo auxiliar de invocação maior como um cajado e uma gema que pudesse guarda a informação complexa da sequência rúnica do encantamento.

 

Não sei como ele fez o que fez, mas esse garoto está em outro nível. Pensou Professora Mika. A última vez que vi um aluno como ele, foi três anos atrás e hoje ela ocupa o primeiro lugar do ranking da academia.

 

 

― Agora pessoal batem palmas para o seu representante de classe!

 

*Clap! Clap! Clap!*

 

Os alunos se recuperam do choque e aplaudiram o representante de classe da classe coruja, Aur Muggulis.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s